Portal Oficial - Instituto Nacional de Estatística
      
 

Informação já disponível para março revela uma forte redução da atividade económica
Síntese Económica de Conjuntura
Informação já disponível para março revela uma forte redução da atividade económica - Março de 2020
20 de abril de 2020

Resumo

Em março, os indicadores de confiança dos consumidores e de sentimento económico diminuíram de forma expressiva na Área Euro (AE), refletindo a forte deterioração das expectativas provocada pelos efeitos da pandemia COVID-19. Os preços das matérias-primas e do petróleo apresentaram variações em cadeia de -2,0% e -23,8%, respetivamente (-3,5% e -10,9% em fevereiro), traduzindo os efeitos negativos da pandemia na economia global e das divergências entre os países produtores de petróleo.
Em Portugal, não considerando médias móveis de três meses (ver secção seguinte), a informação já disponível revela uma forte redução da atividade económica em março. O indicador de confiança dos Consumidores registou uma redução significativa face ao mês anterior, a maior desde setembro de 2012 e atingindo o valor mínimo desde fevereiro de 2016. Todos os indicadores de confiança das empresas diminuíram em março, assinalando-se em particular as fortes reduções no Comércio e nos Serviços.
O montante global de levantamentos nacionais, de pagamentos de serviços e de compras em terminais de pagamento automático na rede multibanco apresentou uma diminuição significativa em março (-17,0%), após ter aumentado 10,1% no mês anterior. As vendas de veículos automóveis diminuíram fortemente em março, observando-se taxas de -57,5% nos automóveis ligeiros de passageiros, -51,2% nos comerciais ligeiros e -46,9% nos veículos pesados.
Já em abril (semana de 6 a 10), o Inquérito Rápido e Excecional às Empresas, promovido conjuntamente pelo INE e Banco de Portugal, indicou nas empresas respondentes uma forte redução do volume de negócios e uma diminuição do pessoal ao serviço, nomeadamente através do recurso ao regime de layoff simplificado, salientando-se, entre as diversas atividades, o impacto negativo da crise pandémica no alojamento e restauração.
De acordo com as estimativas provisórias mensais do Inquérito ao Emprego, a taxa de desemprego (15 a 74 anos), ajustada de sazonalidade, fixou-se em 6,5% em fevereiro, 0,2 pontos percentuais inferior ao valor definitivo registado nos três meses anteriores (valor idêntico no mesmo período do ano anterior). Em fevereiro, a estimativa para a população empregada (15 a 74 anos), também ajustada de sazonalidade, registou uma variação homóloga nula (variação homóloga de 0,2% em janeiro). A informação sobre o desemprego registado pelo IEFP, entretanto divulgada para março e para a primeira quinzena de abril, aponta no entanto para um crescimento expressivo do desemprego.
O Índice de Preços no Consumidor (IPC) apresentou uma taxa de variação homóloga nula em março (0,4% no mês anterior), tendo esta evolução resultado sobretudo da redução do índice dos produtos energéticos.

Embora a informação deste destaque traduza em certa medida o impacto da pandemia COVID-19, é de esperar que as tendências aqui analisadas se alterem substancialmente nas próximas divulgações. De qualquer modo, a informação hoje disponibilizada é útil para estabelecer uma referência para avaliar desenvolvimentos futuros. Apesar das circunstâncias, tentaremos manter o calendário de produção e divulgação, embora seja natural alguma perturbação associada ao impacto da pandemia na obtenção de informação primária. Por esse motivo apelamos à melhor colaboração das empresas, das famílias e das entidades públicas na resposta às solicitações do INE, utilizando a Internet e o telefone como canais alternativos aos contatos presenciais. A qualidade das estatísticas oficiais, particularmente a sua capacidade para traduzir os impactos da pandemia COVID-19, depende crucialmente dessa colaboração que o INE antecipadamente agradece.


Destaque
Download do documento PDF (804 Kb)
Quadros
Excel Excel (109 Kb)
ZIP CSV (4 Kb)