Portal Oficial - Instituto Nacional de Estatística
      
 

Decréscimo generalizado nos vários modos de transporte de passageiros e de mercadorias
Atividade dos Transportes
Decréscimo generalizado nos vários modos de transporte de passageiros e de mercadorias - 4.º Trimestre de 2020
09 de março de 2021

Resumo

No 4º trimestre de 2020, os aeroportos nacionais movimentaram 3,1 milhões de passageiros, agravando-se o decréscimo face ao registado no trimestre anterior (-76,6%; -71,5% no 3ºT 2020).
Também no transporte de passageiros por comboio e por metropolitano, registaram-se maiores decréscimos face ao trimestre anterior (-42,3% e -54,7% face a -40,3% e -51,3% no 3ºT 2020), com totais de 28,3 e de 33,5 milhões de passageiros movimentados, respetivamente.
O transporte de passageiros por via fluvial diminuiu 48,4% (-36,8% no 3ºT 2020), atingindo 2,8 milhões de passageiros.
O transporte de mercadorias por via aérea e ferroviária registou decréscimos menos acentuados comparativamente com o trimestre anterior: -26,1% no transporte aéreo (-39,0% no 3ºT 2020), -3,3% no transporte por ferrovia (-5,3% no 3ºT). O transporte por rodovia registou um decréscimo mais acentuado (-11,7%; -4,1% no 3ºT). Também por via marítima voltou a registar-se uma redução (-2,1%; +0,2% no 3ºT 2020).
Os resultados preliminares de 2020 revelam um decréscimo generalizado no transporte de passageiros: por via aérea (-69,4%;+6,8% no ano anterior), por comboio (-38,4%; +21,2% em 2019), por metropolitano (-48,0%; +10,5% em 2019) e por vias fluviais (-42,7%; +6,7% no ano anterior).
Relativamente ao transporte de mercadorias em 2020, todos os modos de transporte apresentaram reduções face ao ano anterior: a via aérea registou um decréscimo de 30,2% (após +12,1% em 2019), o ferroviário de -7,6% (-12,0% em 2019), o rodoviário de -15,0% (-2,2% em 2019) e o marítimo de -6,9% (-5,6% no ano anterior).
Em 2020, no transporte por oleoduto registou-se uma diminuição de 31,7% face ao ano anterior (+2,8% em 2019). Relativamente ao transporte de gás por gasoduto verificaram-se decréscimos quer nas entradas (-3,3%; +6,5% em 2019) quer nas saídas (-3,2%; +7,1% em 2019).

Apesar das circunstâncias determinadas pela pandemia COVID-19, o INE apela à melhor colaboração das empresas, das famílias e das entidades públicas na resposta às solicitações do INE. A qualidade das estatísticas oficiais, particularmente a sua capacidade para identificar os impactos da pandemia COVID-19, depende crucialmente dessa colaboração que o INE antecipadamente agradece.


Destaque
Download do documento PDF (465 Kb)
Quadros
Excel Excel (288 Kb)
ZIP CSV (17 Kb)